Como é a vida de um instagrammer profissional

Hoje o adolescente completa seus 17, 18 anos, sai do colégio e tem uma diversidade de opções de carreira para seguir. Faz teste vocacional, ouve amigos e familiares e faz sua escolha.

Contudo, por mais que exista uma infinidade de opções, elas são limitadas. Mas o mundo é dos espertos, como já disse alguém.

Basta se libertar das formalidades para que as possibilidades de ganhar dinheiro sejam tão extensas quanto a sua criatividade (e ousadia) permitir.

E assim surgem algumas profissões curiosas e invejáveis, como jogador de videogame, testador de doces, testador de colchões e… instagrammer profissional.

Pois é, leitor, tirar fotos no Instagram, a rede social do momento, não é mais apenas um hobby para algumas pessoas, mas uma profissão.

E uma dessas pessoas é Paulo del Valle.

O carioca de 25 anos, que até o ano passado era dono de uma marca de roupa, hoje é “apenas um instagrammer profissional”.

A PROFISSÃO

Realmente a mídia digital é um dos mercados em amplo crescimento, tendo em vista a realidade de mundo virtual de hoje em dia. Então é claro que as grandes empresas estão apostando – e apostarão cada vez mais – nesse tipo de trabalho.

A lógica desse negócio é a mesma de qualquer outro negócio no mercado comercial: visibilidade. Com 251 mil seguidores (como no caso de Paulo, que não são apenas números, pois há interação a todos os instantes), que marca não vai se interessar por sua página.

“Certamente é um campo que as empresas do Brasil  estão começando a ver oportunidades e mais pessoas terão a chance de crescer nessa área. Não apenas grandes instagrammers, mas também conta menores que são muito  talentosas”, diz Paulo.

“Empresas menores, como marcas de roupas, também estão vendo grandes chances de criarem campanhas mais em conta com instagrammers e acaba sendo algo que é bom para ambos os lados.”

COMO COMEÇOU

“Tudo começou em 2014, cerca de 3 anos após eu ter começado a usar o Instagram. Meu Instagram começou a ganhar grande notoriedade no final de 2013 e graças a isso eu tive a chance de ser chamado para vários projetos no ano passado”, nos contou Paulo.

“Na minha primeira viagem como instagrammer eu fui para a Austrália e lá tive contato com algumas pessoas que haviam largado seus empregos para trabalhar em tempo integral como ‘professional instagrammers’.”

“Na minha segunda viagem, para Israel, conheci mais pessoas que faziam isso e voltei com muitas dúvidas se eu queria continuar com o meu negócio ou seguir apenas como instagrammer profissional. Eu tomei a decisão depois que fui convidado pela Nike para fazer um trabalho durante a Copa do Mundo para a conta @Nike.”

instagrammer-profissional-3-el-hombre

Desde então Paulo tem se dedicado integralmente a sua nova e, claro, invejável profissão e já conseguiu parcerias com outras grandes marcas como Honda, Ford e Fiat.

Se existem outros instagrammers em nosso país? O carioca revela que sim, que ainda não são muitos, mas têm trabalhado com grandes empresas. Nomes como Ticiana Porto (@ticianaporto), Danny Zapapa (@dannyzappa) e César Ovalle (@cesinha) estão se jogando nesse mercado.

A VIDA DE UM INSTAGRAMMER

Mas como é a vida de um instagrammer profissional? Paulo revela que, com o trabalho duro que fez no ano passado, hoje as coisas têm acontecido naturalmente, com propostas de negócios chegando toda semana em sua caixa de entrada.

Como poderíamos imaginar, não existe uma rotina na vida de Paulo, afinal cada trabalho tem suas especificações. Ele sai à rua para fotografar frequentemente, já que o Instagram é seu portfólio. “Eu tenho sempre que continuar um bom trabalho e fotografar coisas novas para tentar chamar mais oportunidades e também ganhar mais seguidores”, conta o rapaz.

Por conta das diversas viagens que já fez, Paulo teve a oportunidade de vivênciar experiências que jamais sonhara antes de se tornar instagrammer. Ele já flutuou no Mar Morto, andou de caiaque com golfinhos, segurou um Canguru bebê, subiu no topo do prédio mais alto do mundo, andou de camelo no deserto, ente outras memórias.

E, lembre-se, recebendo por isso.

Falando em cifras, Paulo nos revelou mais ou menos quanto ganha um instagrammer profissional. “Os pagamentos podem ser feitos por foto postada ou por um trabalho que dura diversos meses e que demanda um certo número de fotos por mês. Uma foto patrocinada custa R$ 2 mil e os acordos variam, mas já chegaram a cerca de R$ 6,5 mil por mês”. Está bom, hombre?

FUTURO DA PROFISSÃO

Agora, sabemos que as redes sociais podem ter vida curta. Então quisemos saber do carioca se ele acha que a profissão tem futuro ou se é algo momentâneo. “Eu acho que as redes sociais estarão sempre por aqui. Acredito que o Instagram ficará ainda por muito tempo, pois eles realmente se preocupam com sua comunidade e fazem de tudo para manter os criativos por perto.”

“Mas as pessoas criativas sempre continuarão criando e aproveitando suas chances para ganhar dinheiro com ‘social media’, independente da rede social do momento”.

RELAÇÕES PESSOAIS

instagrammer-profissional-4-el-hombre

Mas o que Paulo realmente valoriza em seu novo trabalho não são as viagens ou o dinheiro que faz, e sim as amizades que conquistou. “O que esse trabalho me trouxe de mais valioso foram as amizades que fiz. Tive a oportunidade de viajar para diversos lugares junto com dezenas de outros instagrammers de todo o mundo, que hoje eu posso chamar de amigos”.

E essa é uma atitude positiva do Instagram, que incentiva os seus usuários a irem além da amizade virtual por meio dos Instameets, que são encontros promovidos anualmente para seguidos e seguidores se conhecerem na vida real.

COMO SE TORNAR UM INSTAGRAMMER

Se interessou pela profissão? Vá atrás de seu sonho, hombre. Paulo nos diz que não é impossível se tornar um instagrammer, mas que são necessárias algumas características específicas. Aqui vão algumas dicas do profissional:

“Certamente são necessárias muitas características para se tornar um instagrammer. Primeiramente, é necessário ter um bom olhar fotográfico, senso se composição e de edição de imagem. É necessário também não ter apenas um alto número de seguidores, mas também um número significante de likes e comentários, o que é chamado de ‘engagement’ nesse ramo, e é o que as empresas estão atrás para promover seus produtos.”

“Vejo que hoje em dia está cada vez mais difícil de se ganhar seguidores. É preciso manter o foco, postar sempre boas fotos, não misturar trabalho e vida pessoal no Instagram e dar o máximo de atenção com os seus seguidores para criar uma boa relação. Esse é o caminho que levará ao reconhecimento, não só profissional, mas pessoal.”

Agora é com você, leitor. Se quiser mais algum incentivo para ir atrás de seu sonho, segue alguns registros da vida e profissão de Paulo del Valle. E não se esqueça de segui-lo no Instagram e conferir seu trabalho muito bem feito.