Pare de se comparar com os outros e foque em você

Um dos caminhos mais rápidos para detonar a sua autoestima — e ser infeliz — é se comparando com os outros. E, ainda assim, as pessoas insistem em fazer isso, sem refletir sobre quão tóxico é este hábito. Por isso hoje decidi falar do assunto.

Na verdade, eu já tinha comentado sobre o tema num post anterior, em que cito uma frase atribuída a Hemingway: “Não há nada nobre em ser superior ao seu semelhante. A verdadeira nobreza é ser superior ao seu antigo eu.” Mas este debate é tão importante que merece mais reflexão.

ONDE A COMPARAÇÃO NOS LEVA?

Vamos aos fatos, ok? Todo mundo tem um impulso de comparação. Quando você pensa em alguém que se formou com você na faculdade, e hoje está num cargo alto ganhando mais do que você, é difícil escapar do sentimento de incompetência: “Sou um merda.”

Em geral, paramos o raciocínio por aí, sem refletir com mais profundidade: “Ei, calma aí. Onde essa comparação vai me levar?” A resposta é “lugar nenhum”. Ou, melhor, na “frustração”. Os méritos de uma pessoa não diminuem os seus. Você não sabe qual foi a trajetória dela até chegar lá. As oportunidades, as condições, os acasos.

Até mesmo se você pegar dois irmãos gêmeos — que teoricamente teriam potencial igual — eles passam por experiências individuais que vão moldar personalidades diferentes, os fazendo trilhar caminhos distintos. A vida de ninguém é igual à do outro.

UMA IDEALIZAÇÃO ILUSÓRIA

Inclusive, essa idealização alheia pode nos enganar. Você não sabe o que se passa exatamente na cabeça dos outros. Até porque os fatores externos que vemos – como riqueza material – nem sempre são sinônimo de felicidade.

Basta dizer que o Brasil está em 17o na lista dos países mais felizes do mundo na frente de Luxemburgo em 20o, apesar do nosso lugar no ranking de renda per capita ser 70o e eles estarem em 1o.

Quem tem o dobro do seu salário não tem 2 vezes o seu mérito ou 2 vezes a sua felicidade. Pode ter certeza disso.

comparação-outros

Shutterstock

Se este sentimento de inferioridade é nocivo, o mesmo se aplica ao de superioridade. Buscar a satisfação no fato de que você tem um salário maior do que os outros, ou seus posts têm mais curtidas no Facebook, ou você é simplesmente mais bonito, também vai trazer infelicidade.

Afinal, neste caso o seu mérito só tem validade ao ser comparado com o de outra pessoa teoricamente menos bem-sucedida — e as suas conquistas por si perdem todo o valor. Isso sem contar na injustiça que você está cometendo com o outro, pois você novamente não sabe o que o levou até lá.

COMO LIDAR COM ISSO

Se livrar deste hábito não é fácil, mas o primeiro passo é identificar o problema, o que acabamos de fazer aqui.

Sempre que você cair nesta armadilha, lembre-se da frase de Hemingway: “Não há nada nobre em ser superior ao seu semelhante. A verdadeira nobreza é ser superior ao seu antigo eu.” Essa uma lição de sabedoria infinita.

Coloque na cabeça que comparações são sempre injustas (porque as pessoas são diferentes), ilusórias (não sabemos a realidade interna de cada um), gasta um tempo precioso que poderíamos estar usando na evolução pessoal e gera ressentimento em relação aos outros.

Ou seja? Temos muito a perder e nada a ganhar fazendo isso. Como Theodore Roosevelt sabiamente definiu: “A comparação é o ladrão da alegria.”