Como evitar o mau hálito: 5 dicas

Thiago Sievers
Thiago Sievers Head de Parcerias

A garota pode ser fantástica, simpática, atlética, exuberantemente linda, inteligente, fogosa e cheirosa – mas se a suave fragrância que exala do corpo não for a mesma que escapa da boca, de nada servem todas essas qualidades.

Em outras palavras: se ela tiver aquele hálito que desorienta, será no máximo sua amiga. Ou melhor ainda, colega. E apenas virtual.

Halitose é o nome técnico do mau hálito – e  isso provavelmente não é a única coisa que você não sabe sobre o assunto.

Esse é um tema de tanta seriedade que existe até a Associação Brasileira de Halitose (ABHA), organização que se compromete a levar programas de prevenção e orientação de higiene bucal para a sociedade.

DOENÇA OU SINTOMA?

A primeira coisa a ser esclarecida é que o mau hálito não é uma doença, mas um sintoma. Portanto, quando for identificado algum problema desse tipo deve-se fazer um diagnóstico com um bom profissional para dar início a um tratamento.

Resolver esse tipo de problema pode não ser tão simples quanto alguns produtos costumam anunciar pela mídia.

As diferentes causas da halitose (que são contabilizadas em aproximadamente 60) apesar de terem origem na cavidade bucal em mais de 90% dos casos, podem ser originadas também em outros lugares do corpo.

Jejum prolongado, dietas descontroladas, má higiene bucal, baixa produção de saliva, problemas em vias aéreas, estresse, diabetes, desorganização renal, prisão de ventre acentuada são apenas algumas das causas desse sintoma.

“Os problemas relacionados ao estômago muito raramente interferem na condição do hálito alterado, o que por muito tempo, e até os dias de hoje, se constitui numa crença com pouca ou nenhuma evidência científica”, diz a ABHA.

NÚMEROS NO BRASIL

Pesquisas indicam que cerca de 50 milhões de pessoas tem halitose no Brasil. Logo, você provavelmente conhece alguém com mau hálito. Então, como proceder diante disso?

Uma pesquisa realizada em 2008 pela Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas dos Odores da Boca (ABPO) entrevistou 127 pessoas com o sintoma para conhecer o perfil de quem sofre desse problema.

O resultado mostrou que 99% delas acreditam que quem tem mau hálito deve ser alertado desse fato. Acontece que essa não é uma tarefa das mais simples. De acordo com a mesma pesquisa, 49% dos entrevistados disseram ter recebido a notícia por outra pessoa com constrangimento.

Uma solução para que isso seja feito de forma mais suave é oferecida pela própria ABHA. Quando você entra no site da instituição, a primeira coisa que aparece é um pop-up que traz os dizeres: “SOS Mau Hálito”.

Ao seguir as orientações do pop-up, você poderá avisar algum amigo ou conhecido que ele possui halitose sem constrangimento. A pessoa receberá um correio anônimo (eletrônico ou não) informando sobre seu mau hálito.

O AVISO A AMIGOS

A carta ou o e-mail explica com delicadeza o motivo da mensagem e esclarece pontos básicos sobre o problema.

O que é a halitose, o porquê de os portadores não sentirem o próprio mau hálito (os bulbos olfativos acabam acostumando com o odor constante) e como proceder diante dessa situação são algumas respostas que a pessoa encontrará na mensagem.

Fica a dica para quem não aguenta mais o papo diário com o colega de trabalho.

Falando em dica, o site traz algumas que poderão nos ajudar a prevenir o que é motivo de pesadelo de qualquer amante. Seguem cinco delas:

  • Realizar pequenas refeições a cada três horas
  • Ingerir bastante liquido com preferência para a água
  • Realizar adequada higiene bucal (incluindo limpeza da língua) e evitar o uso de soluções para bochecho com álcool na composição
  • Praticar atividades físicas
  • Evitar alimentos que contribuam para o ressecamento bucal (muito salgados, quentes ou condimentados)

Além de tudo o que foi dito, o mau hálito também pode causar sérios problemas emocionais.

Quando a halitose é muito forte, a pessoa normalmente se sente insegura em se aproximar dos outros, tem dificuldades em estabelecer relações (tanto amorosas como afetivas), tem forte resistência ao sorriso, falta de confiança, encontra grandes dificuldades em situações profissionais do dia-a-dia e, por conta de tudo isso, pode entrar em depressão.

Portanto, previna-se ou logo você receberá uma mensagem da Associação Brasileira de Halitose na caixa de entrada de seu e-mail.