fbpx

Esse jogo quer transformar o seu sexo em malhação

Thiago Sievers
Thiago Sievers Head de Parcerias

O PornHub está preocupado com a atual situação da humanidade. Mais especificamente, com o atual estado de saúde da humanidade.

A dinâmica de vida contemporânea tem nos tornado cada vez mais sedentários e isso é péssimo. Então eles resolveram dar uma força para geral. Como? Desenvolvendo um programa que vai nos auxiliar a malhar fazendo sexo — a maneira mais divertida de fazer musculação.

O programa chama-se Bang Fit. Nome sugestivo, não?

E se você acha que eles estão de brincadeira — nós também achamos –, eis o que dizem:

“O Bangfit foi desenvolvildo a partir de pesquisas exaustivas em cima de milhares de estudos e artigos sobre exercícios de sexo, consultando profissionais de saúde e de fitness.”

Bom, se eles estão dizendo nós acreditamos. Só que não.

O programa é na verdade um game que funciona da seguinte maneira: (1) você entra no site; (2) dá o play; (3) escolhe se você quer brincar sozinho ou com companhia; (4) entra na versão mobile do site; (5) coloca o código no celular oferecido pelo site do computador para sincronizar os dois aparelhos; (6) acopla o smartphone na sua cintura (se vira aí, bicho!); e (7) vai para os finalmente.

bang

Quando a brincadeira começar, o site no computador passará um vídeo “tutorial” indicando qual o exercício a ser executado. É tipo um pornô fanfarrão mesmo. Conforme você for se movimentando o programa vai contabilizando os seus pontos e ao final gera um resultado.

“Você pode compartilhar os seus resultados nas redes sociais como qualquer outra rotina de exercícios”, aconselha o vídeo promocional.

Na página ainda há um espaço mostrando quais os exercícios disponíveis e quanto eles geram de gasto calórico para a mulher e para o homem. Lembrando que tudo foi calculado com muita seriedade. Lá tem o Missionary Press, o Cowgirl Crunches, o Squat and Thrust, termos que mesclam nomes de posições sexuais e de musculação.

Sempre engraçadinhos os caras do PornHub.

E aí, vale a pena experimentar “o método fitness que as academias não querem que você conheça”?