Por que se apaixonar é viciante?

Mesmo os garanhões invictos do El Hombre hão de concordar que, em algum momento da vida, já se apaixonaram. E falo daquela paixão que nos surpreende e inunda com reações difíceis de controlar: suplica-se estar perto do objeto de desejo; perde-se a fome; o sono já não dura a noite toda; conversa-se horas pelo telefone; o rendimento no trabalho cai; e checa-se a cada segundo mensagens no Whatsapp.

Todos os encontros tornam-se trocas urgentes e intensas de calor e desejo e a razão foge para um canto do cérebro quase impossível de achar. Simplesmente deixamos de raciocinar.

A ciência explica este sentimento como um estado mental que faz o cérebro liberar substâncias que transmitem sensações de prazer, e, por isso, apaixonar-se é absolutamente viciante.

Para a psicanálise, a paixão é uma forma de buscar no outro aquilo que acreditamos faltar em nós mesmos. A isso denominamos projeção. Projetamos em nosso objeto de paixão tudo aquilo que não temos, e este torna-se perfeito, sem aparente defeito, a completude de nosso viver. Nos questionamos: como pudemos sobreviver por tanto tempo sem aquele cheiro ou aquele beijo?

Apaixonar-se é enlouquecer na normalidade.

É justamente esta inebriante sensação de dependência que permite aproximarmo-nos de quem gostamos. É um momento de fusão do casal que possibilita a eles se conhecerem e descobrirem juntos se desejam ou não entrar na relação.

Portanto, a paixão é a ponte que permite a passagem para a segunda etapa da construção do relacionamento: o amor. No amor, àquilo que aprendemos a gostar do parceiro, juntam-se as falhas, as manias e os defeitos. Evolui-se para um momento do casal mais compatível com o real, e a relação torna-se estável e sem grandes sobressaltos, como acontece durante a paixão.

paixao-vicio-3-el-hombre
Na paixão há altos e baixos

Há, porém quem se vicie na euforia que a paixão provoca, como uma droga. Esta transforma-se em vício no momento em que o apaixonado não consegue retornar à normalidade, recobrando a razão. Este sentimento instável e insaciável provoca, inclusive, sintomas físicos semelhantes aos da síndrome do pânico ou depressão.

As acelerações cardíacas, falta de atenção, desejo de controle total sobre o outro, sentimento de fusão, podem transformar a relação a dois, antes saudável, em um verdadeiro sufoco, correndo-se o risco de perder a(o) parceira(o) e as demais relações como amigos e profissionais.

Ao estado “psicótico” da paixão deve-se retornar, e transformar em real e imperfeito o objeto antes perfeito e fantasioso. Isso porquê não há ser humano – falho por natureza – que satisfaça todas as exigências de quem está apaixonado.

As frustrações iminentes ao casal que decide estar juntos são saudáveis a medida que obriga ao “enlouquecido” entrar em contato com o real daquele que ama. Eu diria que este primeiro estágio de fusão é a preparação para o recebimento das falhas do outro, para que assim estas não sejam entendidas como destruidoras, mas sim parte do “estar a dois”.

Entrar em uma relação, mergulhar de cabeça, namorar, enrolar-se, game over – não importa como se diga, encontrar alguém que lhe traga a paixão e então o amor é especial.

Para isso, caro leitor, pondere suas exigências! Saiba que diversos problemas enfrentados por um casal estão na excessiva idealização do que uma relação representa na vida. É necessário entender que não há relacionamento perfeito, ou pessoas perfeitas, e que a relação por si só não traz garantia de felicidade.

Invista em outros aspectos da vida, como a carreira, o auto-cuidado e os amigos, para então, juntamente com a(o) amada(o), ter a felicidade.

paixao-vicio-4-el-hombre
Só queremos saber do objeto de desejo