fbpx

Por que nós falhamos?

Felipe Lex
Felipe Lex Head de Marketing

Falhar na hora H. Querendo ou não, essa é uma situação que já ocorreu com a maioria de nós. “Mas como isso foi acontecer comigo?”, pensamos nessas horas. “Eu sou um lixo. Puta merda, só pode ser isso. Sou um lixo.” É difícil escapar desses pensamentos. Mas o fato é que, na verdade, você não deveria se preocupar tanto – broxar não é motivo para vergonha. E saiba que isso já aconteceu com mais da metade dos homens do planeta pelo menos uma vez na vida, segundo pesquisas.

Ou seja, você não está sozinho nessa barca furada.

Às vezes o motivo está nela – mau hálito, pêlos indesejáveis ou qualquer coisa que te deixe desanimado em relação à garota. Em outros casos, quando ocorre com uma alta frequência, a razão é puramente fisiológica — a chamada disfunção erétil. Aí basta fazer um tratamento com remédios e o problema estará resolvido. Álcool, drogas, medicamentos para depressão e estresse também são fatores que podem acabar com sua festa.

Mas não há dúvida de que o grande culpado na maioria dos casos é a ansiedade.

Ela é fruto daqueles pensamentos que vêm à sua cabeça, normalmente, na primeira transa.

“Será que vou mandar bem? Será que vou gozar rápido ou demorado demais? Será que vou conseguir dar um orgasmo para ela?” Essas dúvidas são o que causam uma tensão altíssima – e acabam resultando na broxada. Ao invés do desempenho desejado, você acaba gerando o efeito contrário.

A ciência explica: a ansiedade faz você liberar adrenalina, um hormônio vasoconstritor que impede o bom fluxo de sangue para o pênis. Resultado? Um pênis flácido como um rolo de plástico-bolha.

Mas e se acontecer comigo? O que faço?

Primeiro, você deve se lembrar que falhar é normal; não trate como se fosse o fim do mundo. Relaxe e tente não dar muita importância. Converse com a garota, tome um drink, faça o clima de tensão ir embora – e mostre a ela que você pode satisfazê-la de outras maneiras, usando a boca e os dedos. Se você conseguir relaxar plenamente, pode até ser que seu pênis volte a funcionar ainda mesmo naquela noite.

Ser sincero com ela e, depois, compartilhar suas experiências com os amigos é um grande passo para avançar rumo à solução. É preciso tratar esse assunto com naturalidade, e não desconforto. O importante é que você não se cobre tanto, não sinta a pressão de ser um Super-Homem na cama. É claro que isso não é fácil. Mas aprender a lidar com a ansiedade é o que evitará problemas futuros – e trará a transa memorável que você tanto deseja.