Que tal jogar o clássico “GoldenEye 007” contra o próprio Bond?

Pedro Cohn
Pedro Cohn Diretor de Negócios

Há muitos, mas muitos jogos maravilhosos na história dos vídeo games. E quanto mais avançamos no tempo, mais a lista aumenta. Naturalmente.

Por isso, será sempre difícil estabelecer um ranking dos melhores games de todos os tempos. Mas uma coisa é muito fácil: estabelecer um hour concours para essa lista.

É claro que estamos falando de “GoldenEye 007” para Nintendo 64.

Ok, eu sei que estou aplicando valores subjetivos aqui e que minha afirmativa é bastante polêmica. Muitos discordarão em absoluto comigo – mas outros irão se identificar com meu sentimento.

Contudo, uma coisa é certa: esse é um dos maiores jogos da história.

Ele foi o primeiro grande sucesso dos jogos FPS (tiro em primeira pessoa) no modo multiplayer para vídeo games, estilo que arrisco a dizer ser o que mais bomba e gera lucro para as empresas hoje em dia.

Ele é o terceiro jogo mais vendido do Nintendo 64 com 8 milhões de unidades comercializadas. Fica atrás apenas de Super Mario 64 e Mario Kart 64.

Uma curiosidade interessante é que a equipe que desenvolveu o game era inexperiente no ramo. Oito das dez pessoas do grupo nunca haviam trabalhado com vídeo games antes – e conseguiram fazer essa obra prima.

Estou escrevendo sobre esse game hoje porque acabo de assistir um vídeo em que o próprio James Bond joga o GoldenEye 007.

Jimmy Fallon, um apresentador americano famoso, pediu para que Pierce Brosnan realizasse um sonho seu de infância enquanto o entrevistava em seu programa: jogar uma partida mano a mano com ele.

Sonho seu e de todos nós, Jimmy! Já imaginou jogar GoldenEye 007 contra o próprio Bond, James Bond?

Pierce aceitou, é claro, a fase escolhida foi a Complex (minha preferida depois da Stack) e lá foram os dois para frente do nostálgico 64.

A partida foi muito curta – mas tivemos tempo suficiente para perceber que Pierce provavelmente nunca colocou a mão num controle de 64 para jogar GoldenEye 007. Ele sequer conseguiu encontrar uma arma. Ficou dando aqueles golpes de karatê com a mão feito uma barata tonta.

Ops, sorry, Mr. Bond.

De resto, o curto vídeo foi pura nostalgia. Cada detalhe do jogo me levou a viajar em tempos passados e rememorar sentimentos que só há um jeito de reviver: jogando novamente GoldenEye 007.

Agora vocês me dão licença que eu vou convencer o chefe a instalar um 64 aqui na redação.