Sim, a cerveja pode ser boa à sua saúde

No começo do mês foi realizado em Madri o IV Simpósio Internacional de Cerveja e Saúde (sim, isso existe), e lá foram divulgadas para o mundo notícias importantes – na verdade, uma notícia importante: a cerveja pode ser benéfica à saúde.

Pesquisadores fizeram um estudo com porcos onde os resultados apontaram melhoras significantes na saúde dos animais. Foram observados efeitos positivos no coração e nos ossos daqueles que ingeriram a bebida, além de ter havido a constatação de aumento de HDL e a diminuição do LDH (entenda mais sobre colesterol aqui) em seus organismos. Isso tudo sem modificar a massa corporal dos bichinhos – o que significa que não foi averiguada a relação entre a bebida e a barriga de chopp. As mulheres são ainda mais beneficiadas, pois a cerveja atua positivamente sobre a menopausa e sobre o organismo durante a gravidez.

Mas como não somos mulheres vamos seguir em frente – e sinto dizer que seguir em frente não será tão agradável quanto foi a leitura até aqui.

Esses resultados somente acontecem quando a ingestão da cerveja é moderada (no máximo 2 latas). Nessas doses o estudo aconselha (não apenas diz, mas aconselha) a degustar a bebida todos os dias. Mas se a quantidade aumenta, os benefícios não apenas são anulados como podem se tornar maléficos ao organismo – como estamos cansados de saber. E não adianta deixar de beber durante a semana achando que terá acumulado a cota dos dias úteis para poder usufruir nas baladas de sexta e sábado. Nada disso. Extrapolar um dia, mesmo que nos outros nem tenha bebido, já é suficiente para se prejudicar.

Assim sendo, cowboy, da próxima vez que a mulher encher o saco mostre a ela essa matéria e dê um jeito de provar que ainda não passou da segunda latinha.

Só não siga o exemplo deste rapaz e exagere na dose

Fontes: iG, Cenário MT, R7, Idmed