fbpx

O PlayStation 4 é tudo isso?

Pedro Cohn
Pedro Cohn Diretor de Negócios

Ontem aconteceu o Playstation Meeting em Nova Iorque, evento em que a Sony apresentou a nova geração do console. Na verdade, o console em si não foi apresentado e continuamos sem saber qual a cara do PS4. Mas, infelizmente, essa não foi a única decepção da noite: informações como preço, data de lançamento nos EUA e em outros países e a compatibilidade dos jogos de seus antecessores não foram muito bem explicadas. Isso deixa os amantes de games um pouco preocupados.

Mas, então, o que foi revelado?

Se o console ainda não veio a público, pelo menos o novo controle veio. Como havíamos previsto (e temido) o nome continua o mesmo: Dual Shock. Só que esse, obviamente, é o 4. As inovações no controle, no entanto, não me surpreenderam em nada. Foram acrescentados uma tela touchscreen e um botão “share” na parte da frente dele, vários sensores para reconhecimento de movimento e o desing é praticamente o mesmo do Dual Shock 3. Por conta desse último ponto, a ergonomia do controle não deve mudar em nada em relação aos seus antecessores. Isso, para mim, é frustrante – esse aspecto, assim como os outros, deveria acompanhar a evolução da tecnologia.

A potência do videogame também deixou a desejar. A minha dúvida é se a placa de vídeo apresentada (1,84 TFlops) será suficiente para acompanhar os dez anos (tempo aproximado que se espera que o PS4 permaneça no mercado) de evolução dos gráficos que os estúdios de desenvolvimento de games implementarão. Para termos de comparação, a Titan GTX (última placa de vídeo para PC lançada pela Nvidia, maior fabricante de placas de processamento gráfico) é de 4,7 TFlops. Ou seja, mais de duas vezes mais potente do que a do novo Playstation.

(MAISO Ouya e o futuro dos videogames)
(MAISO que esperar do Shield, o videogame da Nvidia)

Mas também houveram pontos positivos: a RAM foi mesmo confirmada em 8GB. Isso é quase 16 vezes mais do que a memória do PS3. O processador também é interessante: um AMD de 8 núcleos. Além dele, haverá um segundo processador somente para tarefas de background como, por exemplo, downloads. Assim, não precisaremos mais parar de jogar para esperar baixar qualquer arquivo.

A turma da Sony ainda apresentou o Playstation 4 Eye: um sensor para reconhecimento de movimentos. Funciona como o Kinect, mas com vantagens. Em vez de uma câmera 640 x 480, o PS4 Eye conta com duas 1280 x 800 e um campo de visão de 85° contra os 57° do equipamento do Xbox 360.

Aproveitando o evento, algumas desenvolvedoras anunciaram seus jogos. São eles: Killzone: Shadow Fall, Watch Dogs, Diablo III (primeira aparição do game em consoles), Drive Club, Infamous: Second Son, The Witness, Deep Down, Destiny e Knack. Vamos falar um pouco daqueles que mais nos impressionaram.

DRIVE CLUB

Esse é um FPS de corrida da Evolution Games  que chamou muita atenção pelos gráficos incríveis e preocupação com os detalhes — até o reflexo do sol no banco de couro do carro foi pensado. O jogo permite a formação de equipes de players reais e a competição entre elas, o que é uma novidade nos jogos desse gênero.

DEEP DOWN

A Capcom esteve presente no palco apresentando um game baseado no seu novo motor, o Panta Rhei. Trata-se de um jogo onde os personagens principais são matadores de dragões. O trailer de pouco mais de dois minutos mostra um guerreiro medieval enfrentando o bicho lendário dentro de uma caverna envolto pelas chamas cuspidas pelo animal.

DESTINY

A desenvolvedora de games Bungie, que antes fazia jogos exclusivos para Xbox, decidiu estender seus produtos à Sony e o primeiro jogo anunciado pela parceria é o Desntiny. Com seu cenário surpreendente e místico, nossa aposta é que esse FPS será um dos Blockbusters do novo console.