fbpx
sexta-feira, julho 19, 2024
InícioLifestyleCarrosCEO da Ferrari diz que eles nunca farão carros autônomos

CEO da Ferrari diz que eles nunca farão carros autônomos

Por anos, a Ferrari resistiu em aderir à revolução dos veículos elétricos até finalmente ceder e começar a desenvolver um carro totalmente elétrico. Mas a empresa italiana de automóveis de luxo diz que é improvável que ceda a outra tendência importante do mercado automotivo: os veículos autônomos.

A marca icônica de supercarros tem como objetivo projetar carros esportivos que as pessoas queiram dirigir por si mesmas, e capitular à tecnologia de condução autônoma como outras empresas, como a Tesla, seria contraproducente ao espírito da empresa, de acordo com o CEO da Ferrari, Benedetto Vigna.

“Há quatro tipos de software. Há o software de performance, o software de conforto, o software de infoentretenimento e o autônomo”, disse Vigna no Future of the Car Summit, organizado pelo jornal “Financial Times” em Londres na terça-feira.

“O último, nós não nos importamos”, ele continuou.

Não é a primeira vez que Vigna ou outros executivos da Ferrari prometem não aderir à autonomia, argumentando que permitir que seus carros se dirijam por si mesmos derrotaria o propósito de comprar um, já que a maioria dos clientes que compra uma Ferrari não planeja ser conduzido por alguém ou algo mais.

“Nenhum cliente vai gastar dinheiro para que o computador do carro aproveite a condução”, disse Vigna em uma entrevista à Bloomberg no ano passado. “O valor do humano no centro é fundamental.”

Os executivos da Ferrari sabiam desde 2016 que a tecnologia de condução autônoma não estava nos planos da empresa tão cedo. “Não haverá uma Ferrari autônoma no futuro previsível”, disse Nicola Boari, na época diretor de marketing de produto da Ferrari, em uma entrevista à revista Car. “Quando você está dirigindo uma Ferrari, queremos que você se concentre.”

No caso da Ferrari, uma empresa que se orgulha de fazer quase toda a sua produção internamente, os executivos podem não ter querido dedicar recursos para desenvolver tecnologia de condução autônoma de qualquer maneira, sugeriu Vigna no encontro do FT.

As empresas de automóveis, desde fabricantes tradicionais até startups focadas em autonomia, investiram mais de 100 bilhões de dólares em tecnologia de condução autônoma desde 2014, de acordo com um relatório de 2021 da consultoria McKinsey. Mas poucas empresas têm muito a mostrar por seus investimentos, já que veículos Tesla equipados com sistemas de assistência ao motorista sozinhos foram acusados de causar centenas de acidentes.

Apesar dos contratempos, muitos fabricantes de automóveis estão apostando cada vez mais na condução autônoma, especialmente empresas com o apoio de grandes grupos. Por exemplo, a Volkswagen AG — uma das maiores fabricantes de automóveis do mundo por vendas, que opera marcas incluindo Volkswagen, Audi e Porsche — anunciou um investimento de 2,3 bilhões de dólares em uma joint venture com uma empresa chinesa de condução autônoma no ano passado.

Embora a Ferrari não lance carros autônomos tão cedo, se é que algum dia fará isso, potenciais clientes esperançosos de que a marca de luxo se modernize provavelmente se sentiram encorajados pelos comentários de Vigna sobre o futuro elétrico planejado da empresa.

Pelos mesmos motivos que a Ferrari se opõe aos carros autônomos, ela tem relutado em trocar seus poderosos motores a combustão por silenciosas baterias elétricas. Em 2013, o então presidente da empresa, Luca di Montezemolo, declarou que a Ferrari “nunca fabricaria um carro elétrico enquanto eu fosse presidente”, enquanto a empresa lutava para se manter fiel às suas raízes.

Mas a onda de veículos elétricos só cresceu na década desde então, com várias outras marcas de carros esportivos, incluindo Porsche e Maserati, introduzindo seus próprios modelos eletrificados. A Ferrari está agora desenvolvendo seu primeiro carro totalmente elétrico, previsto para 2025, para se manter competitiva e até anunciou uma meta de atingir a neutralidade de carbono até 2030 em toda a sua cadeia de valor, desde a obtenção de materiais até a fabricação. A empresa continuará a produzir híbridos e veículos com motores a combustão interna, utilizando combustíveis produzidos a partir de emissões capturadas de dióxido de carbono e hidrogênio gerado de forma limpa.

Em uma perspectiva financeira apresentada no ano passado, a Ferrari estabeleceu para si mesma a meta de 80% de suas vendas serem de híbridos ou totalmente elétricos até 2030, e durante a cúpula do FT desta semana, Vigna reiterou que, devido aos combustíveis produzidos por energia limpa, o plano de crescimento da empresa era “totalmente compatível” com seus objetivos de neutralidade de carbono.

Fonte: Fortune

Redação El Hombre
Redação El Hombrehttps://www.elhombre.com.br
O El Hombre é um portal de lifestyle para o homem contemporâneo com mais de 5.000 artigos sobre estilo, carreira, fitness e muito mais. Fale conosco pelo email [email protected]