Cigarro: é melhor parar de uma vez ou diminuir gradativamente?

Pedro Nogueira
Pedro Nogueira Editor-Chefe

Sempre que vejo alguém fumando, penso em “Mad Men” e nos publicitários reais que inspiraram a série: puta merda, aqueles caras eram bons. Eles convenceram o mundo inteiro de que fumar cigarro — um negócio que faz mal para a saúde, custa dinheiro, cheira mal e vicia — era uma boa ideia.

Mas a golden age dos anúncios de cigarro ficou para trás e, hoje, está cheio de gente querendo largar o hábito.

Alguns tentam parar de uma vez, outros preferem fazer uma diminuição gradativa. Afinal, qual é a melhor estratégia? Os cientistas de Oxford acabaram de chegar a uma resposta definitiva: largar o cigarro abruptamente.

Eles fizeram uma pesquisa com 697 fumantes, que foram divididos em dois grupos. O primeiro adotou o caminho abrupto e o segundo, o progressivo. Após 4 semanas a taxa de sucesso (ou seja, pessoas que não tiveram recaída) foi 25% maior na turma que parou de uma vez. E, depois de 6 meses, esse número aumentou ainda mais para 42%.

O estudo também ressaltou a importância de suporte nesse processo, tanto psicológico (na forma de aconselhamento) quanto físico (tipo adesivo de nicotina ou chiclete). Num próximo passo, eles pretendem investigar a ajuda que o cigarro eletrônico pode fornecer aos fumantes.

Uma curiosidade? Um dos editores do El Hombre parou de fumar recentemente e relatou sua experiência neste post. Ele usou a estratégia de largar de uma vez e deu certo, usando o auxílio do cigarro eletrônico. Vale a pena dar uma lida para se inspirar na sua história.

Concluindo o texto, então, se você quer largar o vício, não tente fazê-lo aos poucos: escolha um dia, jogue o maço no lixo e não olhe para trás.