Elevar a autoestima não é das tarefas mais fáceis. Realmente se sentir bem consigo mesmo é algo que demanda muito de nosso psicológico, ainda mais vivendo numa sociedade como a nossa, que nos cobra tanto a todos os instantes.

Você deve ter algum amigo que vive reclamando de si mesmo pelos cantos (isso se não for você a agir dessa forma). E então, ao compartilhar uma de suas crises de autoestima, sempre vem a dúvida: o que fazer? Como ajudá-lo? O que dizer para fazer que ele se sinta melhor?

A resposta que sempre encontramos não poderia ser mais óbvia: elogiar suas qualidades, enaltecer seus pontos fortes, fazer ele enxergar o que tem de bom.

Contudo, um estudo vem nos mostrar que essa não é a melhor estratégia para ajudar quem está se sentindo para baixo.

De acordo com a pesquisa orientada pela Dra. Denise Marigold, da Renison University College e University of Waterloo, intitulada “Você nem sempre pode dar o que quer: O desafio de fornecer apoio social a pessoas com baixa autoestima”,  quem está down geralmente se mostra resistente em aceitar os esforços que os amigos fazem para que se sintam melhor.

“As pessoas com baixa autoestima sempre se sentem mais confortáveis e preferem interagir com pessoas que as veem da mesma forma como elas se veem”, diz Marigold, que completa, “Se eu estou falando sobre a minha vida de forma negativa, eu não quero alguém discutindo comigo”.

As nossas melhores intenções muitas vezes fazem com que nossos amigos tristes fiquem ainda mais para baixo. Ao sugerir que estão errados, que são sim ótimas pessoas, que a vida é boa, que podem alcançar o que pretendem, eles podem sentir que estamos sendo falsos e que não o compreendemos. E, convenhamos, geralmente têm razão.

Portanto, ao lidar com uma pessoa que não está se sentindo muito bem pessoalmente (e isso não precisa ser necessariamente uma característica da personalidade dela, pode ser uma fase, um momento gerado por alguma situação, como o término de um namoro, uma demissão e etc), você deveria evitar frases como:

Fique tranquilo, está tudo bem

Vai dar tudo certo

Você vai conseguir outro emprego em breve

Você merece uma pessoa melhor

Bola para cima

Você precisa pensar positivamente

Você é uma pessoa fantástica e vai superar tudo isso

É só uma fase

E outras semelhantes.

Mas, então, o que fazer?

O sábio já dizia: “Quando não tem o que falar, é melhor ficar calado”. Ou algo do gênero.

Pois essa é a melhor dica.

Muitas vezes as pessoas que estão numa baixa não querem ouvir conselhos, querem apenas desabafar. Tudo o que precisam é de um ouvido atento aos seus sofrimentos. Então basta que você se coloque na posição de um bom ouvinte e pronto.

Fácil, não?

Nem tanto.

Por mais que não há necessidades de se dizer muitas coisas, a pessoa vai saber se você realmente está ouvindo seus queixumes ou esperando que ela acabe logo com aquilo. Preste atenção, se envolva em seus problemas (mas não vá muito longe, caso contrário serão dois na fossa) e ela certamente se sentirá melhor. Para essa tarefa você precisará de muita paciência e compaixão.

Agora, se você realmente souber o que está fazendo, aí falar é válido.

No entanto, não fale coisas apenas porque está desconfortável na situação ou porque sente que tem que dizer algo. Muitas vezes nos vemos numa posição em que um tipo de constrangimentos nos impulsiona a dizer qualquer coisa e então sai o “É assim mesmo”, “Acontece com todo mundo”, “Você é demais, vai saber lidar com isso”.

Como o estudo acima nos mostra, o que vai adiantar muitas vezes para consolar a pessoa com baixa autoestima é mostrar que entendemos o que se passa com ela. Por isso o ouvir se faz tão necessário, pois não há outra forma de entendê-la.

Quer dizer alguma coisa? Talvez frases como, “Eu imagino como é difícil”, “Eu me identifico com isso”, “Tudo bem se sentir assim”, fará com que ela perceba que não está só no mundo.

O mais importante de tudo, no entanto, é dizer coisas com sinceridade e ter muito tato na hora da conversa.

Por fim, um detalhe importantíssimo: você não deve resolver um problema que não é seu. Tentar solucionar sozinho uma situação particular que está fazendo um amigo sofrer é demonstrar falta de confiança nas capacidades dele. Se ele está passando por aquilo é capaz de superar.

Isso não significa, contudo, que precise superar sozinho. Você deve estar ao seu lado para dar suporte e levantá-lo para a batalha.

Dê-lhe pernas firmes para caminhar – mas jamais carregue-o no colo.