fbpx

Eis um bom motivo para fotografar suas comidas

Thiago Sievers
Thiago Sievers Head de Parcerias

A moda de fotografar a comida chegou e ficou. Talvez seu auge já tenha passado (nunca sabemos), mas fato é que ninguém mais se espanta quando a parceira ou um amigo saca o smartphone do bolso para clicar um prato no meio do restaurante antes de apreciar o conteúdo.

Em algumas situações, na verdade, se você não faz isso fica até meio deslocado. Todo mundo está lá procurando o melhor ângulo para o registro e somente você pronto para fazer o que supostamente era a proposta do programa: comer.

E agora os amantes do Insta ganharam um bom reforço para manter suas rotinas fotográficas pré refeição: uma pesquisa científica.

O Journal of Consumer Marketing publicou uma pesquisa envolvendo três estudos (cada um com mais de 120 participantes) que teve como foco compreender como as fotos influenciam na alimentação dos “fotógrafos”. O resultado foi categórico: aqueles que registram suas comidas as apreciam mais.

comida

Segundo os autores, isso acontece porque o fato de fazer um registro causa um pequeno “atraso” no consumo da comida, que é justamente o que faz com que ela pareça mais saborosa.

Essa conclusão está de acordo com outros estudos que também alegaram que tardar um pouco a ingestão da comida o faz valorizá-la mais.

Mas até de forma intuitiva nós podemos concordar com isso. Não é um absurdo aceitar a ideia de que uma refeição se tornará mais apetitosa se receber alguns segundos — ou minutos — de nossa antenção antes de ir para o estômago.

Você se envolve com o prato, presta atenção no alimento que está ali, na composição da refeição, passa um pouco mais de vontade antes de consumir tudo. Eu diria que é tipo quando a mulher fica instigando um pouco antes de partir para o finalmente.

É uma comparação justa, não?

Se você não tem o hábito de tirar foto dos pratos e não confia muito em pesquisas, então fica a dica: experimente o hobbie. Quam sabe ele realmente não torne sua comida mais apetitosa?

A realidade é que o ritual está aí, explodindo mundão afora, e não temos como negá-lo — então que, ao menos, o vejamos pelo lado positivo.