fbpx
segunda-feira, junho 17, 2024
InícioAtitudeEm busca do prazer: 10 reflexões de Epicuro sobre a vida e a felicidade

Em busca do prazer: 10 reflexões de Epicuro sobre a vida e a felicidade

Na vastidão das filosofias que já exploramos neste site, frequentemente nos deparamos com o poderoso Estoicismo, cujas  lições nos ensinam sobre resistência, aceitação e virtude. Entretanto, a rica tapeçaria da filosofia grega oferece mais do que apenas uma perspectiva. Assim sendo, hoje, optamos por mergulhar nas águas calmas, porém profundas, da filosofia de Epicuro. Eu, inclusive, admito que o admiro tanto quanto a qualquer filósofo estoico.

Embora muitos possam associar Epicuro estritamente ao hedonismo, isso é uma injustiça histórica: apesar de seu amor ao princípio do prazer, é fundamental reconhecer que sua filosofia não se reduz a uma mera procura desenfreada por satisfações efêmeras.

Ao contrário, Epicuro defendia especialmente uma vida marcada pela busca da ataraxia. A ataraxia é basicamente um estado de serenidade e ausência de perturbação. Ademais, ao invés de encorajar indulgências desenfreadas, Epicuro buscava a compreensão ponderada do que verdadeiramente constitui o prazer. De forma surpreendente, esta procura pela tranquilidade tem muitos paralelos com o Estoicismo. Você notou que ambos os sistemas filosóficos prezam pela paz interior e pela gestão das paixões.

Em resumo, o Epicurismo é uma filosofia que merece nossa atenção, não apenas por sua perspectiva sobre o prazer, mas também por suas profundas reflexões sobre a natureza da vida e a importância da conexão humana.

À medida que seguimos, trazemos a você uma seleção de dez frases de Epicuro, convidando-o a contemplar a essência de sua sabedoria. Abrace esta jornada e descubra o que este antigo filósofo tem a nos ensinar sobre o prazer verdadeiro e o amor à vida.

AS MÁXIMAS DE EPICURO QUE VOCÊ DEVE LEVAR PARA A SUA VIDA:

Não existe o viver prazerosamente sem viver de modo sensato, belo e justo. E nem viver de modo sensato, belo e justo, sem viver prazerosamente.

Para Epicuro, o prazer, a sensatez, a beleza e a justiça são faces de uma mesma moeda. Quando optamos por viver de uma maneira justa, respeitando a nós mesmos e mantendo relações harmoniosas com o externo, o bem-estar virá.

Uma pessoa que comete uma injustiça jamais passará despercebida.

Quando cometemos erros graves ou somos injustos, das duas uma: ou somos pegos e sofremos as consequências, ou tememos sê-lo e sofremos as consequências do mesmo modo.

Dentre as coisas que a sabedoria proporciona à felicidade de uma vida inteira, o cultivo de amizades é em muitos sentidos a mais importante.

Para Epicuro, a sociabilidade humana é uma das principais promotoras da felicidade e do bem-estar. A amizade seria, portanto, essencial para uma vida feliz.

Dentre os desejos, há os naturais, há os naturais e não necessários, e há os não naturais nem necessários, mas que nascem junto à opinião vazia.

Para Epicuro, os desejos não naturais nem necessários seriam, por exemplo, o de obter honrarias e condecorações ou prestígio político, algo que gera disputas pelo poder e pela riqueza, e consequentemente injustiça, desperdício e tolice.

A pobreza medida pelo limite da natureza é uma grande riqueza; e riqueza não delimitada é uma grande pobreza.

Epicuro acredita que o melhor para nós é vivermos de acordo com os ditames da natureza, e que é necessário que cada ser humano tenha o necessário para viver com conforto e paz. No entanto, tudo o que ultrapassa em demasia esse seu princípio se torna um perigo. São somente os insensatos que buscam a riqueza sem limites e desejam sempre mais.

Não temos tanta necessidade da ajuda dos amigos quanto temos da confiança a respeito dessa ajuda.

Em poucas palavras, nem sempre precisaremos de fato da ajuda de nossos amigos, mas sim da consciência de que a receberemos caso dela necessitemos.

Não estrague as coisas presentes pelo desejo das ausentes.

Poucas coisas são mais insensatas do que desejar algo que não se tem e menosprezar aquilo que se tem em mãos. Esse é um dos erros mais comuns de alguns seres humanos.

Experimente fazer o dia posterior melhor que o anterior, até que esteja à caminho; e no momento em que chegar ao limite, alegre-se serenamente.

Epicuro sugere competirmos somente com nossas próprias pessoas, dando o nosso melhor para sermos mais justos e realizados a cada dia.

Não se deve ter inveja de ninguém. As pessoas boas não são dignas de inveja, e os maus, quanto mais afortunados, tanto mais prejudicam a si mesmos.

Para Epicuro, a inveja é uma paixão aprisionadora, que não produz nenhum tipo de prazer e enfraquece as relações entre as pessoas.

É vão exigir dos deuses aquilo que alguém pode prover por si próprio.

Epicuro acreditava na existência dos deuses, mas também em sua ausência de interferência sobre o mundo humano. Ele desencorajava a devoção, assimcomo a crença nos castigos e nas benesses divinos. Cuide de si mesmo, e nada exija do sobrenatural.

BÔNUS: MAIS 3 MÁXIMAS EPICURISTAS PARA LEVAR PARA O CORAÇÃO

Nos compadeçamos de nossos amigos não chorando, mas pensando.

Quando nos solidalizarmos com nossos amigos, deixemos de lado as lágrimas, mas pensemos nas melhores maneiras de ajudá-los. Isso serve também para o luto – lembremos sempre com ternura e alegria das pessoas que passaram pelas nossas vidas e a quem amamos, e não com lamentações.

Nada é suficiente para quem o suficiente é pouco.

A quem pouco basta, nada basta. Quando desejarmos além do que é necessário, seremos sempre infelizes e insensatos.

Nem a maior riqueza existente, nem a estima e a admiração junto à multidão, engendram uma alegria digna de viver ou dissolvem a perturbação da alma.

O desejo imoderado por riqueza e admiração é vazio, e mesmo a obteção dessas coisas jamais causará alegria como a gerada pela simplicidade e pela vida segundo a natureza, mas sim perturbações infindas à alma.

Camila Nogueira Nardelli
Camila Nogueira Nardelli
Leitora ávida, aficcionada por chai latte e por gatos, a socióloga Camila escreve sobre desenvolvimento pessoal aqui no El Hombre.