Dois amigos marcam de tomar uma cerveja. Eles não se veem há quase um mês. Chegam ao bar às oito. A conversa está boa. Pena que o celular do “Primeiro” (vamos chamá-lo assim) interrompe o papo a todo instante.

As notificações não param. O “Segundo” se incomoda. Mas paciência. Ele repara também que o “Primeiro” está cada vez mais monossilábico e distraído na conversa. Ele já imagina o que vai acontecer em breve.

E, confirmando suas suspeitas, ele recebe o fatídico aviso pouco depois: “Cara, preciso ir. Vou sair com uma menina do Tinder.” Eles não chegaram ao bar fazia nem 20 minutos.

Você já deve ter passado por essa situação. Seja na pele do “Primeiro” (o do Tinder) ou do “Segundo” (o amigo que ficou para trás). A verdade, senhores, é que o vício no Tinder está afastando muitos amigos por aí. Com o tempo, a repetição disso acaba deixando o “Segundo” chateado, se sentindo abandonado e desvalorizado por seu velho camarada. É como se a sua companhia fosse dispensável para o outro.

E a situação acima nem é das piores. Há quem esquece 100% do compromisso, e deixa seu amigo plantado no bar esperando, porque arrumou uma transa fácil pelo aplicativo. Se o cara estivesse numa seca monumental, tipo um prisioneiro que terminou a pena, até daria para entender.

Mas não é o caso. Ele provavelmente saiu com uma mulher diferente ontem. E anteontem. E no dia anterior também, se bobear.

Imagino que o Tinder seja uma maravilha para os solteiros. E digo “imagino” porque na minha época de solteirice ele ainda não existia. É uma ferramenta que facilita bastante a interação entre duas pessoas interessados na mesma coisa: sexo.

Mas como tudo na vida, é preciso colocar um limite. Os extremos são vícios, já dizia Aristoteles. No meio deles é que está a virtude.

Viver com a cabeça no futuro — ou, mais exatamente, uma transa do futuro — significa não aproveitar os momentos simples e deliciosos que o presente oferece. Como tomar uma cerveja com um amigo. Está na hora de usarmos mais o botão de desligar do smartphone, senhores.

Se você é o cara do Tinder, reflita sobre a sua busca insaciável pelo próximo match. Será que você precisa, mesmo, sair com tantas mulheres? E se você é o amigo, faça a sua parte e dê um toque a ele. O vício nos cega e, às vezes, ele nem reparou como isso está chateando você.