fbpx
terça-feira, junho 18, 2024
InícioEntretenimentoOs 13 melhores filmes de vampiros para afundar os dentes

Os 13 melhores filmes de vampiros para afundar os dentes

Há pouco mais de um século, uma obra aventurou-se pelas sombras do cinema: Nosferatu, adaptação não autorizada do romance Drácula, de Bram Stoker. Dirigido por F.W. Murnau, o cineasta mais influente da era do cinema mudo, o filme foi a primeira incursão pelo gênero vampírico entre os pioneiros do terror na sétima arte. A obra de Murnau foi emblemática, lançando fundamentos que moldaram o terror dos anos 30 e o gênero noir que floresceu na década de 40. E desde então, o fascínio pelos vampiros, monstros noturnos que se banqueteiam com o sangue humano permaneceu incólume. E, é claro, conferiu aos vampiros um lugar de destaque no panteão do terror. Abertos a inúmeras interpretações, eles se multiplicaram em variadas representações cinematográficas, cada uma refletindo os medos e contextos de sua época.

E agora, diante de uma vastidão de filmes sobre vampiros, por onde começar? Revisitar os clássicos e caminhar através da história? Ou mergulhar nas interpretações modernas, espelhos de nossos tempos e temores atuais? E se a curiosidade pelos vampiros existir, mas o apetite por terror não for tão voraz? Não temam! Seja para os aficionados por sangue fictício ou para aqueles de coração mais delicado, há filmes para todos os gostos esperando para serem descobertos. Aqui se apresenta uma seleção diversa de filmes de vampiros para saciar qualquer sede de entretenimento. Afinal, o que define o terror ainda é um debate aberto. O gênero frequentemente se mescla a outros, mas estas são obras que certamente aguçarão essa peculiar coceira por emoções fortes.

Desde adaptações recentes de Stephen King a épicas narrativas com um toque de sobrenatural, prepare-se para uma jornada cinematográfica… Se tiver coragem.

Nosferatu (1922)

O filme que deu início a tudo. Este clássico narra a história do Conde Orlok, um vampiro que desenvolve uma sinistra obsessão pela esposa do seu corretor imobiliário Thomas. Filmado no auge do Expressionismo Alemão, a obra de Murnau oferece uma interpretação surreal do material original, e sua produção foi dramatizada no aclamado drama de horror Shadow of the Vampire de 2000.

Drácula (1931)

“Ouçam-nos. As crianças da noite. Que música eles fazem.” Esta icônica fala foi proferida por Bela Lugosi no clássico de terror seminal de Tod Browning, Drácula, em 1931. O filme popularizou o gênero vampírico como conhecemos hoje. Estrelado por Lugosi no seu papel mais famoso como o Conde Drácula, o elenco conta ainda com David Manners, Helen Chandler, Dwight Frye e Edward Van Sloan. Baseado no romance de Stoker, o filme relata a saga do Conde Drácula em sua transição da Transilvânia para a Inglaterra em busca de sangue fresco, com Van Helsing em seu encalço. O sucesso de Drácula impulsionou a Universal Studios a produzir mais filmes de monstros nos anos subsequentes.

Drácula, a Filha (1936)

Como sequência do Drácula de 1931, Drácula, a Filha, dirigido por Lambert Hillyer, apresenta Gloria Holden no papel de Condessa Marya Zaleska – a filha do infame conde – em sua busca para romper a maldição vampírica herdada de seu pai, destruindo seu corpo. Sua jornada, marcada por fracassos, a leva a um confronto final com Van Helsing (Edward Van Sloan, reprisando seu papel). Com subtis nuances lésbicas, algo revolucionário para a época, Drácula, a Filha se tornou fonte de inspiração para escritores como Anne Rice, autora da série Crônicas Vampirescas.

Drácula: Príncipe das Trevas (1966)

No terceiro filme da série Drácula produzida pela Hammer Film Productions, Drácula: Príncipe das Trevas marca o retorno de Christopher Lee ao papel do notório vampiro. Sob a direção de Terence Fisher, o filme acompanha quatro turistas ingleses inadvertidamente atraídos para o castelo de Drácula, onde ele aguarda sua ressurreição. Com um elenco que inclui Barbara Shelley e Andrew Keir, Drácula: Príncipe das Trevas assume um tom mais próximo ao dos filmes slasher, com Lee’s Drácula eliminando suas vítimas desprevenidas em um desempenho quase silencioso.

Fome de Viver (1983)

Dirigido por Tony Scott, Fome de Viver é um filme de vampiros que se apropria da subcultura gótica, destacando-se pela moda underground e pela trilha sonora do Bauhaus. Estrelado por Catherine Deneuve e David Bowie como os vampiros milenares Miriam e John, que desenvolvem um relacionamento romântico com Sarah (Susan Sarandon), o filme explora temas de poliamor, perda do parceiro romântico, um relacionamento lésbico romântico e o medo do envelhecimento, enquanto navega pelo mito milenar do vampiro até suas influências egípcias antigas.

Entrevista com o Vampiro (1994)

Baseado no romance de 1976 de Anne Rice, Entrevista com o Vampiro oferece uma interpretação mais romântica do mito vampírico. Dirigido por Neil Jordan e com um elenco estelar que inclui Tom Cruise, Brad Pitt, Kirsten Dunst, Christian Slater, Stephen Rea e Antonio Banderas, o filme narra a história de Louis, enquanto ele relata sua convivência com o famoso vampiro Lestat e a transformação de uma garota de 10 anos em uma criatura da noite. O filme foi indicado a dois Oscars, Melhor Direção de Arte e Melhor Trilha Sonora Original.

Um Drink no Inferno (1996)

Mesclando influências do western com o horror, Um Drink no Inferno conta a história de dois irmãos assaltantes, interpretados por George Clooney e Quentin Tarantino, em fuga para o México. Para seu azar, acabam em um bar repleto de vampiros sedentos por sangue. Com o estilo característico do diretor Robert Rodriguez, Um Drink no Inferno é um filme de vampiros repleto de ação, sangue e um cenário mexicano único.

Blade (1998)

Dirigido por Stephen Norrington e estrelando Wesley Snipes como o personagem da Marvel Comics, Blade rompeu com as expectativas tradicionais. O filme segue Blade, um caçador meio humano/meio vampiro dedicado a perseguir vampiros que se alimentam dos vivos. Eventualmente, sua busca o coloca contra o perigoso Deacon Frost (Stephen Dorff) em um confronto repleto de ação. Blade também se destacou por focar mais na ação do que no horror e apresentar um vampiro como protagonista.

Sede de Sangue (2009)

Dirigido por Park Chan-wook, Sede de Sangue conta a história de Sang-hyun, um devoto padre católico que se submete a um procedimento médico experimental na esperança de ser curado do Vírus Emmanuel. O procedimento tem efeitos horríveis, deixando-o com uma insaciável sede de sangue humano, ao ponto de ele furtar sangue de hospitais em vez de recorrer ao assassinato. Para complicar ainda mais a situação, ele inicia um romance com Tae-ju, a infeliz esposa de um amigo de infância. Sede de Sangue traz uma nova abordagem à tradicional história de vampiros, misturando uma crise de fé com infidelidade, resultando em uma tragédia profunda. O filme foi premiado com o Prêmio do Júri e indicado à Palme d’Or no Festival de Cannes de 2009.

A Hora do Espanto (2011)

Remake do filme de 1985 de mesmo nome, A Hora do Espanto é uma comédia adolescente com uma pitada de terror sobre vampiros. Quando Charley Brewster descobre que seu novo vizinho, Jerry é um vampiro perigoso, ele e sua namorada são forçados a enfrentá-lo para salvar sua mãe. A Hora do Espanto presta homenagem ao que veio antes, ao mesmo tempo em que apresenta uma nova abordagem para o público moderno.

Amantes Eternos (2013)

Com a estética punk única do aclamado diretor Jim Jarmusch, Amantes Eternos foca no romance centenário entre os vampiros Adam e Eve, enquanto tentam manter seu relacionamento diante dos desafios impostos pela irmã mais nova e incontrolável de Eve, Ava. Com um humor seco, ambientação única e atuações poderosas, Amantes Eternos oferece uma narrativa distinta na longa história do cinema de vampiros, celebrando o poder do amor eterno.

O Que Fazemos nas Sombras (2014)

Fruto da mente criativa dos escritores-diretores e estrelas Jermaine Clement e Taika Waititi, O Que Fazemos nas Sombras é um falso documentário que acompanha um grupo de vampiros que vivem juntos na Wellington moderna, Nova Zelândia, e as peripécias que vivenciam. Uma sátira mordaz dos clichês vampíricos, O Que Fazemos nas Sombras deu origem a uma série de comédia spin-off.

Doutor Sono (2019)

Baseado no romance de Stephen King de mesmo nome, Doutor Sono continua a história mais de 30 anos após os eventos de O Iluminado. Ele segue Dan Torrance enquanto ele protege uma jovem garota, Abra, do Culto do Nó Verdadeiro. O culto, liderado por Rose The Hat, busca pessoas com a habilidade sobrenatural do “iluminar” para se alimentar de sua essência vital. Embora não seja um filme de vampiros no sentido tradicional, ainda segue a tropa de vilões se alimentando de outros seres humanos para viver. Dirigido por Mike Flanagan, o filme também oferece uma narrativa emocional que lida com temas de TEPT e vício.

Esta é uma tradução do texto do A.Frame.

Camila Nogueira Nardelli
Camila Nogueira Nardelli
Leitora ávida, aficcionada por chai latte e por gatos, a socióloga Camila escreve sobre desenvolvimento pessoal aqui no El Hombre.