pai-rico-filho-nobre-neto-pobre
pai-rico-filho-nobre-neto-pobre

Pai rico, filho nobre, neto pobre: as lições desta máxima

Por que devo ensinar finanças aos meus filhos?

Antes de pontuar algumas situações, vale reforçar que “ensinar”, ou simplesmente propagar boas práticas financeiras, são informações que deveriam ir além de uma relação entre pais e filhos.

Só quem já passou perrengue sabe o quanto é duro ficar duro.

Existem dois tipos de pessoas que dizem já ter passado por isso: aquele que ficou sem grana uma ou duas vezes para o lanche natural na volta das aulas diárias de tênis e aquele que nem foi para o futebol porque não tinha grana para a gasolina do Pálio 97 (que só não é etanol porque o carro da época ainda não tinha tecnologia flex).

Uma recente pesquisa realizada nos Estados Unidos faz um alerta: “Pais milionários correm risco de terem filhos preguiçosos  e infelizes”

Você certamente deve ter associado essa manchete ao hombre “mimado” da galera. Mas antes de nomeá-lo assim, pense que ele não escolheu ser assim: ele foi criado assim.

Essa manchete pode parecer um absurdo para alguns, mas é nada mais que uma realidade.

Filhos que herdam fortunas (mesmo que pequenas, ainda são fortunas) dos pais, se perdem para encontrar a felicidade absoluta ou carreira ideal, por um único motivo: comodidade.

E que fique claro, esse hombre não tem culpa por isso.

Os pais em algum momento da vida, desesperados pela felicidade do filho, cedem a todos os seus desejos numa tentativa frustrante de vê-lo realizado (e condenado a uma corrente no pescoço que arrastará por muito tempo) o que se torna então o grande erro de uma criação.

A expressão “educação vem de berço” tem um sentido que vai além da educação literalmente dita, já que isso está ligado diretamente aos costumes dos que nos orientam.

Mas um costume que faltam aos pais para seus filhos, sejam estes milionários ou de uma condição precária, não é simplesmente educa-los sobre suas finanças, mas sim prepara-los para o que vem pela frente.

Mudar os hábitos de um jovem ou um adolescente é uma tarefa tão difícil quanto ficar milionário jogando poker. Exige determinação entre tantos outros artifícios, mas se torna uma tarefa menos difícil quando você já começa decidido, quando acostuma com alguma situação desde cedo.

Uma blusa da Hollister ou um tênis da Oakley podem parecer ridiculamente impróprios para uma simples demonstração do cenário atual, mas o garoto que ganhou esses presentes com 14 anos, certamente vai querer estar dirigindo um conversível aos 18.

Portanto uma Hering de vez em quando não faz mal nenhum.

Os filhos de hoje nascem escoltados por uma lista infindável de marcas que se tornaram tradicionais e mundialmente conhecidas somente através de uma estampa. Estampas estas que pretendem te cercar pelo resto de nossas vidas.

Dizer não a um filho tem sido tarefa quase impossível. Pais se vêem condenados a satisfazer a vontade de um filho, na esperança de vê-lo feliz, ou de simplesmente não o verem se virarem contra si próprios.

Fato é que os pais de hoje não são os mesmo de ontem, quando não tinham interferência de tantos meios de comunicação e propagação de imagens nas mais remotas situações.

Porém mais fato ainda, é que infelizmente ainda viveremos uma geração de pessoas cheias de ideias que nem sabem que existem, que pela falta de conselhos e costumes financeiros, se encadearão em uma roda gigante, que as vezes te deixa no alto e as vezes em baixo, mas que nunca muda o percurso.