fbpx
sábado, julho 13, 2024
InícioEntretenimentoA Sutil Arte de Tremer de Medo: Por que os Filmes de Terror nos Fascinam

A Sutil Arte de Tremer de Medo: Por que os Filmes de Terror nos Fascinam

A atração pelo terror parece contraditória. Por que alguém se submeteria voluntariamente a experiências projetadas para provocar medo e ansiedade? No entanto, filmes de terror continuam a ser uma parte vital e vibrante da cultura cinematográfica, arrastando milhões de espectadores para as sombras de suas narrativas arrepiantes.

Essa atração enigmática pelo medo e pelo macabro merece uma análise mais aprofundada, e é isso que tencionamos apresentar aqui.

A ciência por trás do susto: O que nos atrai ao terror

O fascínio pelo horror não é um fenômeno novo. Ao longo da história, narrativas sombrias e contos de terror têm sido elementos fundamentais da condição humana. Os filmes de terror são apenas a forma moderna dessas antigas tradições de contar histórias assustadoras em volta da fogueira.

Mas o que está por trás desse prazer peculiar de sentir medo?

A resposta pode estar em nosso cérebro. Quando nos confrontamos com a ameaça simulada de um filme de terror, o cérebro dispara uma resposta de luta ou fuga. Hormônios como a adrenalina e o cortisol inundam nosso sistema, aumentando a frequência cardíaca e a pressão sanguínea, preparando-nos para responder à ameaça. No entanto, em um nível consciente, sabemos que estamos seguros, o que permite que desfrutemos da emoção sem enfrentar um perigo real.

Essa combinação de perigo percebido e segurança real cria uma espécie de montanha-russa emocional que muitos acham irresistível. E, como dizia Hitchcock: “Todos amam um bom crime, contanto que não sejam vítimas dele”.

A limpeza da alma: O papel da catarse

Aristóteles falou sobre o conceito de catarse, uma forma de limpeza emocional ou purificação que ocorre, especialmente através da arte. Em um filme de terror, essa purgação emocional é muitas vezes alcançada quando as tensões acumuladas são liberadas através do medo e do alívio subsequente. É como se, ao experimentar o medo em um ambiente controlado, pudéssemos exorcizar nossas próprias ansiedades e estresses diários.

A catarse pode ser uma das razões pelas quais as pessoas se sentem atraídas por filmes de terror, especialmente em tempos de incerteza. Quando nos identificamos com os personagens, vivenciamos vicariamente seus terrores e, ao fazer isso, somos capazes de confrontar nossos próprios medos em um espaço seguro. Este processo não só proporciona uma válvula de escape emocional, mas também pode nos fazer sentir mais fortes e mais preparados para enfrentar nossas próprias lutas diárias.

O reflexo da sombra: Encontrando o monstro dentro

Carl Jung, um dos pais da psicologia moderna, introduziu o conceito da “sombra”, essa parte do inconsciente que contém aspectos de nós mesmos que negamos ou reprimimos. Filmes de terror frequentemente apresentam monstros e antagonistas que personificam essa sombra coletiva. Ao assistir a esses filmes, somos confrontados com o “monstro que há dentro de cada um de nós”, uma oportunidade para reconhecer e integrar esses aspectos reprimidos de nossa psique em nossa compreensão consciente de nós mesmos.

Os monstros e vilões dos filmes de terror muitas vezes encarnam medos universais: o desconhecido, a morte, o abandono, ou a perda de controle. Confrontar esses medos na tela pode ser uma maneira simbólica de confrontar os medos que temos em nossa própria vida. Através desses arquétipos sombrios, os filmes de terror nos permitem explorar os cantos mais escuros de nossa mente em um contexto que é, ao mesmo tempo, assustador e seguro.

A lição de Hitchcock: O terror desde a infância

Alfred Hitchcock, mestre indiscutível do suspense, certa vez articulou uma verdade fundamental sobre o medo: “O medo não é tão difícil de se compreender. Afinal das contas, todos nós nos assustávamos quando crianças. Absolutamente nada mudou desde que a chapeuzinho vermelho enfrentou o lobo mau. O que nos assusta quando somos adultos é a mesma coisa que nos assustava quando éramos pequenos. É só um lobo mau diferente. O complexo do medo está enraizado em cada indivíduo”.

Esta afirmação ressoa profundamente na psique humana, sugerindo que os filmes de terror nos atraem porque tocam em temores primitivos que foram incutidos em nós desde a infância. Ao relembrar esses medos antigos, os filmes de terror nos permitem revisitar e talvez até reconciliar as inquietações de nosso passado com a segurança do presente.

A cortina se fecha: Reflexões no escuro

Ao apagar das luzes, o fascínio pelo terror parece menos um enigma e mais uma jornada pela complexidade da psique humana. Os filmes de terror, com suas sombras dançantes e promessas de sustos, oferecem mais do que entretenimento; eles são um espelho escuro onde confrontamos nossos medos mais profundos e encontramos alívio catártico nas nossas vitórias simbólicas sobre eles.

À medida que a última cena se desvanece na tela, talvez saiamos do cinema um pouco mais corajosos, um pouco mais leves, tendo deixado um pouco do nosso próprio lobo mau nas sombras da sala. E assim, em um ciclo eterno de medo e fascínio, continuamos a ser atraídos para essas experiências que nos agitam, nos moldam e nos revelam, filme após filme.

Camila Nogueira Nardelli
Camila Nogueira Nardelli
Leitora ávida, aficcionada por chai latte e por gatos, a socióloga Camila escreve sobre desenvolvimento pessoal aqui no El Hombre.