Por que você deveria usar argila para cuidar da pele e cabelo

O mercado brasileiro de estética masculina é um dos maiores do mundo. E, cada vez mais, salões de beleza e clínicas de estética mostram-se bastante cuidadosos com a beleza e consequentemente com a saúde do homem.

Um tratamento que tem feito bastante sucesso atualmente, não só entre as mulheres, mas também com os marmanjos, é a argiloterapia, também conhecida como geoterapia. Por ser natural e sem contra indicações, ela tem sido um poderoso aliado dos profissionais.

O uso da argila no trabalho estético ou terapêutico, contudo, não é criação do mundo atual. Encontramos com facilidade documentos históricos relatando o uso desse material para esses fins em sociedades de épocas remotas, como a egípcia e a grega. Hipócrates, o pai da medicina, já se utilizava da argila em seus trabalho, por exemplo.

As propriedades minerais do material são potentes e ajudam a nutrir, limpar e revitalizar a pele. Isso acontece por meio da eliminação de toxinas, de um processo esfoliante e do estímulo da circulação sanguínea no local da aplicação do tratamento. Além disso, como veremos mais adiante, o trabalho também tem fim relaxante, diminuindo o estresse daqueles que recebem a argiloterapia.

Há diversos tipos de argila que podem ser usadas no tratamento: branca, verde, vermelha, rosa, entre outras. Como cada uma tem uma propriedade diferente, o profissional deve avaliar qual é a mais indicada para as especificidades da pele e do cabelo de cada pessoa antes de iniciar o processo.

Daniel Mattos, do Red Salon Homem, diz que a busca por esse processo aumentou muito com o fim do inverno e o início da primavera. “Isso se deve à mudança brusca da temperatura, o que provoca alterações nos cabelos e na pele – principalmente a do rosto -, que, ao ficarem expostas às várias agressões do tempo, sofrem bastante”, explica.

No caso dos cabelos, a argila age em vários aspectos como no combate à caspa, seborreia e queda dos fios, pois tem ação cicatrizante e promove equilíbrio das funções orgânicas das madeixas e do couro cabeludo. No Red Salon, o tratamento capilar pode durar de 10 a 12 sessões.

Já a limpeza facial, com o auxílio de argila, se mostra eficaz na primeira sessão, mas é necessário manter uma rotina. Ela alivia a tensão muscular, colabora na suavização das manchas na pele, regenera e desintoxica os tecidos, além de eliminar o estresse.

“Nos homens, que têm a pele – em especial, a do rosto – mais grossa, tratamentos como esse funcionam bem e ajudam na eliminação de foliculites e manchas deixadas por cravos e espinhas”, destaca Mattos.

A argiloterapia também pode ser aplicada em outras partes do corpo com o intuito de trabalhar dores locais, hidratar a pele, combater a oleosidade ou auxiliar em outras questões.

Pensando no bem estar e na transição das estações, ele ainda revela que a Red Salon vai promover uma ação no mês de outubro em que o corte, a hidratação e a limpeza facial, baseada na argiloterapia, poderão ser feitas pelo preço de R$ 100. A rede, com seis lojas no Rio de Janeiro, visa o bem estar e estimula o crescente cuidado dos homens com a beleza.