Quem disse que é para odiarmos a nossa aparência?

Malcom X, um herói na história do orgulho negro, foi um gênio.

Ele falou para o coração e para a mente de milhões de pessoas que se julgavam inferiores, e que eram tratadas como se fossem. Assentos em ônibus separados, banheiros separados, vidas separadas.

A pergunta que ele fez aos negros americanos: “Quem disse que é para vocês se odiarem?”

Ele enumerou os objetos de ódio: cabelo, nariz, tom da pele. Tudo aquilo que Michael Jackson tentaria tirar de si, depois, ao preço de se desfigurar.

O que Malcom X falou para seu povo vale para cada um de nós.

Quem disse para nos odiarmos? Quem disse para a garota de cabelos enrolados que ela deve detestá-los? Por que a mulher de seios menores (ou maiores) do que os das misses deve abominá-los? Por que devo odiar minhas sobrancelhas grossas?

Temos que gostar um pouco mais de nós mesmos, do jeito que somos.

Foi com essa mensagem que Malcom X entrou para a história.

Balas assassinas o encontrariam em meados dos anos 60. Mas sua pregação já tinha seguido caminho e diante dela as balas foram pateticamente impotentes.