fbpx

Bitcoin, a moeda da internet que virou uma sensação

Pedro Nogueira
Pedro Nogueira Editor-Chefe

Pode ser que um dia você faça compras usando não reais, ou euros, ou dólares, ou libras – mas bitcoins, uma moeda digital que para muitos tem o poder de promover uma revolução no mercado financeiro tal como o conhecemos. Os gêmeos do Facebook, Cameron e Tyler Winklevoss, investiram US$ 11 milhões na moeda, por exemplo. O El Hombre pesquisou artigos – em inglês, em espanhol e em português —  sobre o bitcoin e encontramos um ótimo FAQ sobre o assunto no site Contabilidade Financeira. Confira abaixo como funciona esta moeda que chegou a valorizar 628% em um único mês.

O que é bitcoin?

Bitcoin é uma moeda digital, sem vínculo com nenhum governo (banco central) ou empresa. Foi criada em 2009.

Por que o interesse no bitcoin?

No último ano, de abril de 2012 a abril de 2013, o valor do bitcoin foi multiplicado por 20. A valorização trouxe a atenção dos analistas sobre o assunto. Alguns acreditam que o bitcoin é uma tecnologia que irá revolucionar os serviços bancários. Outros acham que é um esquema Ponzi. Acredita-se que exista uma relação entre a valorização do bitcoin e a crise de Chipre.

Quem está usando o bitcoin?

Alguns endereços da internet já aceitam pagamento com bitcoin. Em junho de 2011 o Wikileaks passou a aceitar doações em bitcoin. Alguns bancos já visitam os mercados de troca de bitcoin, segundo informação da Reuters. Também é possível trocar bitcoin por linden, a moeda virtual do Second Life.

O bitcoin é somente uma moeda?

Há certa controvérsia com respeito a isto. Alguns acreditam que o bitcoin pode ser considerado também como sendo uma fonte de investimento. Esta crença decorre da valorização ocorrida nos últimos anos. E já existem derivativos em bitcoins.

Quais as vantagens do bitcoin?

Além do fato de ser um investimento, o bitcoin tem a vantagem do anonimato. Como moeda, o bitcoin poderá revolucionar o sistema bancário (vide mais adiante).

Como a moeda é criada?

Existe um sistema denominado de mineração. Ele está associado com a solução de certos problemas matemáticos complexos, que geralmente são feitos com a utilização de elevados recursos computacional. Isto limita a criação da moeda. E incentiva aqueles que desejam criar moeda de maneira pouco ética, como usar os computadores de uma empresa sem a permissão do empregador.

Como o processo de criação do bitcoin afeta a criação de vírus?

Uma vez que a criação da moeda depende da utilização de computadores, alguns programas foram desenvolvidos para instalar nos computadores pessoais ao longo do mundo, com a finalidade de usar as máquinas para “criar” moedas para terceiros. Estes programas não provocam efeito sobre os arquivos, mas torna o equipamento mais lento.

Existe roubo de bitcoin?

Já existem casos de roubo de bitcoin, com prejuízos expressivos. Algumas empresas que armazenam bitcoin já foram roubadas.

Qual a explicação para o comportamento do preço recente do bitcoin?

Como existe uma limitação na oferta da moeda e a procura é crescente, a resposta da pergunta é fácil: a velha lei da economia. Além disto, algumas das vantagens da moeda, como o anonimato, atraem pessoas.

Existe algum respaldo legal para o bitcoin?

Em geral não. As autoridades monetárias de diversos países não reconhecem o bitcoin como moeda de troca. Mas o serviço financeiro da ilha de Malta reconhece o uso do bitcoin.

O bitcoin é volátil?

Sim. A conversão do bitcoin para o dólar já sofreu variações enormes nos últimos anos. Em 2011 o preço caiu de 30 para 2, o dólar. No final de março atingiu a 50 dólares.

Existem alternativas ao bitcoin?

Sim. Um deles é o mavros, criado pelo russo Sergey Mavrodi. Entretanto, o currículo de Mavrodi não é muito bom para ser um substituto adequado.

O bitcoin é revolucionário?

Pelo fato do bitcoin não depender do sistema bancário tradicional, as transações eletrônicas podem ter um custo menor. Assim, é possível que o bitcoin seja uma disruptive innovation, inovação destruidora, na definição de Clay Christensen.

Os gêmeos do Facebook investiram US$ 11 milhões na moeda