O que significa ser “polímata” e como faço para virar um?

Nós já falamos algumas vezes sobre Leonardo da Vinci aqui no El Hombre, tido por muitos como o maior gênio da história da humanidade.

Mas por que ele era tão extraordinário assim? Porque se destacou em várias áreas das ciências e das artes ao longo de sua vida. Pintor, escultor, arquiteto, engenheiro, inventor, matemático, escritor, físico, botânico… A lista é longa.

E o fato mais admirável é que ele mandava bem em tudo que fazia. Talento? Com certeza tinha alguma dose. Mas o seu grande segredo era a curiosidade apaixonada que ele possuía por adquirir novos conhecimentos.

Existe uma palavra, que vem o grego, para definir pessoas como Leonardo da Vinci: polímata. Eu sei, a palavra é feia para burro. Parece o nome de alguma fórmula aritmética. Mas o significado é poderoso.

O QUE É UM POLÍMATA?

Polímata é aquele sujeito que sabe muito sobre várias coisas. E não estou falando do ponto de vista superficial. Sabe mesmo. Estuda. Pesquisa. Se aprofunda no assunto.

O conceito de “polímata” nasceu na época do Renascimento, lá pelo século 15. Esse movimento foi um período de transição entre a Idade Média e a Idade Moderna, cujo epicentro ocorreu na Itália, depois se espalhando por toda a Europa.

Houve uma revolução artística, cultural e social inspirada nos ideais da Antiguidade, especialmente a Grécia clássica.

Enquanto na Idade Média predominava o teocentrismo – ou seja, a religião era o foco de tudo – o Renascimento propagou o antropocentrismo, colocando o ser humano como centro das atenções.

Então, sendo o humano uma espécie inteligente, forte e capaz, nada mais justo do que abraçar todo o conhecimento possível que o mundo tem a oferecer – e desenvolver o seu potencial ao máximo.

Surge, assim, o conceito do homem polímata.

POR QUE EU DEVERIA SER UM POLÍMATA?

Antes de falar sobre “como” virar um polímata, eu gostaria de chamar a atenção para a utilidade de possuir essa virtude no mundo atual.

Com a revolução digital, os chamados “profissionais 360 graus” cada vez se destacam mais na carreira. São aquelas pessoas com alta capacidade de inovação, execução e integração com diferentes áreas do negócio.

O poder de adaptação também é crucial, pois a cada ano surgem novas tecnologias disruptivas – e você precisa estar preparado para aprendê-las rapidamente, se não quiser ficar para trás.

Ao se tornar um polímata, você liga um interruptor no cérebro, digamos assim, que vai te transformar num cara mais versátil e criativo, sempre com disposição para aprender coisas novas.

Isso sem contar o fator social. Você será um cara mais interessante, pois tem conteúdo para se virar bem em qualquer conversa ou atividade.

OK, ENTÃO COMO EU FAÇO PARA VIRAR UM?

Vamos agora ao “xis” da questão: como faço para virar um polímata? A boa notícia é que nunca existiu época melhor da história para isso, porque hoje é fácil encontrar informação de qualidade sobre qualquer tema – e sem a necessidade de gastar muito.

O primeiro passo é definir as suas áreas de interesse, que dialogam com sua carreira, interesses pessoais e aptidões naturais.

Mas não tente dar um passo maior do que a perna. Entenda que você não vai conquistar o mundo de uma vez. Foque-se em duas ou três coisas, no máximo, simultaneamente. Depois que você se sentir no domínio delas, pode expandir para diferentes campos.

1# LIVROS

Você já ouviu falar de Winston Churchill? Ele foi o primeiro-ministro britânico que combateu a Alemanha de Hitler durante a 2a Guerra Mundial. É considerado por muitos o maior inglês da história. E, sim, ele tinha traços de polímata.

Churchill era um especialista em incontáveis áreas. Agora sabe quantos livros ele leu durante a vida? Especula-se que mais de 5 mil. Os livros são a maior fonte de conhecimento. E com a popularização do ebook, você pode comprar uma enorme variedade de títulos com um clique (e a preços camaradas) pela Amazon, utilizando o aplicativo do Kindle para ler.

Agora, se você é o tipo que prefere papel, pode também comprar pela internet ou direto numa livraria como a Saraiva, a Livraria da Vila e a Livraria Cultura.

2# VÍDEOS

Também dá para aprender muito assistindo a vídeos no YouTube, TEDs e documentários pelo Netflix. E o melhor de tudo? Os dois primeiros são de graça, enquanto o Netflix custa apenas R$ 19,90 por mês.

Para quem dirige bastante, uma boa alternativa são também os podcasts, porque aí você utiliza o seu tempo de trânsito de maneira produtivo.

3# CONVERSAS

Por fim, faça amizade com pessoas que também se interessam pela área que você está estudando. Isso vai render ricas discussões e uma valiosa troca de informações.

A verdade é que está ao alcance de todo homem se tornar um polímata. É apenas uma questão de desenvolver um foco aguçado, para investir seu tempo em atividades enriquecedoras, não em ruídos improdutivos como ver novela; estimular a sua curiosidade, para a sede por novos conhecimentos florescer dentro de você; e ter força de vontade para não desistir no meio do caminho.

VÍDEO EM DESTAQUE: