Como (e por que) escrever uma carta ao seu eu passado

Qual seria o propósito de escrever uma carta ao seu eu passado?

Todos passamos por momentos difíceis, momentos que nos deixaram paralisados ou até mesmo traumatizados.

E se pudéssemos voltar ao passado e dar a nós mesmos o amor e a compreensão que tanto precisávamos naqueles tempos? E se pudéssemos retornar e oferecer a quem éramos um conselho?

A princípio, esse exercício pode parecer uma perda de tempo. Afinal das contas, por que mexeríamos em algo que não pode mais ser alterado? De que adiantaria fazê-lo?

Mas a verdade é que pode se tratar de algo altamente terapêutico, que lhe ajudará a…

  • Refletir sobre a pessoa que você foi um dia;
  • Refletir sobre a pessoa em quem se transformou;
  • Refletir sobre o que está se passando na sua vida agora;
  • Perdoar ao seu eu passado por todos os seus erros;
  • Perdoar aos outros pelos erros que possam ter cometido;
  • Colocar um ponto final em situações que ficaram em aberto;
  • Criar um presente e um futuro melhores.

É isso mesmo: escrever uma carta ao seu eu passado fará com que você reflita sobre toda a sua vida. A vida que você levou, a vida que você está levando, a vida que você quer levar.

Você pensará no quanto as coisas mudaram, em todas as coisas que aprendeu e em como é necessário que sinta e demonstre gratidão diante de todas as coisas positivas que foram concedidas a você. Você entenderá e apreciará a sua própria vida em um nível superior.

Vamos começar?

– COMO ESCREVER UMA CARTA AO SEU EU PASSADO –

1# SELECIONE UM MOMENTO DE SUA VIDA

Para começar, o melhor é selecionar um momento específico da sua vida.

Pense da seguinte maneira: qual o momento no qual eu mais precisei de um amigo ou de um conselheiro?

Este é provavelmente o momento ideal. Ou, mais especificamente, o breve momento que o antecedeu. Prepare o seu “eu” para o que acontecerá em breve, ofereça-lhe os conselhos que sente que não recebeu, e siga em frente.

2# COMECE A ESCREVER E ABRA SEU CORAÇÃO

Como dizem os especialistas, “comece com o começo”. Deixe que a primeira memória se insinue no papel, e o restante também surgirá de maneira fluida.

A sinceridade é necessária. Caso contrário, qual seria o ponto desse exercício?

Existe apenas uma pessoa com a qual você pode dividir todos os seus segredos, a pessoa que reside dentro de você – e é a esta que você deve se dirigir, ajudando-a através de suas próprias confissões e palavras de conforto.

3# SEJA COMPASSIVO

Todos cometemos erros.

Não guarde ressentimento de si mesmo pelos equívocos cometidos no passado, e lembre-se de expressar amor e compreensão no que se refere ao seu eu passado.

Afinal das contas, você é o único que conhece todos os problemas pelos quais esta pessoa passou – todos os êxitos e todos os fracassos que experimentou, e todas as desilusões que foi obrigada a enfrentar.

Lembre-se do que dizia Maya Angelou, ativista política e poetisa americana: “Faça o seu melhor até saber mais. E, quando souber mais, faça melhor do que o seu melhor”.