“Eu me senti uma estrela do rock ao fazer este filme”

NOVA YORK – Por muitos anos Leonardo DiCaprio deixou sua marca como uma estrela de cinema que foge de filmes sem profundidade de Hollywood em favor de trabalhos sérios em longas como O Aviador, Diamante de Sangue e Os Infiltrados. Mas DiCaprio (já com 39 anos) é um camaleão que tem um grande dom para a comédia e ele coloca esse talento em uso no filme O Lobo de Wall Street, uma sátira sobre a ascensão e queda de um corretor da bolsa corrupto que ganhou milhões de dólares de clientes durante os anos 80 e 90.

Baseado na história real de Jordan Belfort, um homem apaixonado por iates, mansões, prostitutas, cocaína e um estilo de vida em geral depravado, DiCaprio está no papel de um herói da classe trabalhadora que se entregou às suas fantasias mais perversas como parte de sua busca pelo sonho americano.

“Queríamos criar a sensação de um Império Romano nos dias modernos”, diz DiCaprio. Foi ele quem trouxe a história para Scorsese e passou vários anos tentando financiar o filme.

”Nós queríamos que o filme tivesse a ideia de que todos estavam cedendo às tentações. Belfort [é um símbolo] de tudo o que há de errado com a sociedade de hoje.”

O Lobo de Wall Street contou com a estrela em ascensão de 23 anos de idade, a atriz australiana Margot Robbie (que também conversou com o El Hombre), como segunda esposa de Belfort, que faz cenas nudez com classe, além de Jonah Hill e Mathew Mcconaughey.

Leonardo, como é que você vê o clima de Lobo de Wall Street?

Nós queríamos que o filme fosse um passeio hipnótico para o público, para que eles se perderem neste mundo da ganância. Era uma cultura extremamente excessiva essa que prevaleceu em Wall Street e ainda existe. Havia este sentimento geral de que você poderia se safar de qualquer coisa.

O que você acha de seu personagem na vida real, Jordan Belfort ?

Eu tive a oportunidade de conhecer Belfort e ele estava muito aberto e disposto a revelar alguns dos detalhes mais embaraçosas sobre sua vida durante esse tempo. Até mais do que ele já havia revelado em seu livro (NE – no qual o filme se baseia). Ele me disse logo no início : “Já que você vai me interpretar, deixe-me ser ainda mais sincero com você…” Ele sabe que nós estamos tentamos mostrar o lado mais sombrio de sua natureza. Isso é o que está por trás de tudo o que acontece no filme. Esta é uma história sobre as falhas da natureza humana e do tipo de destruição que pode acontecer no sistema financeiro com o tempo.

Este é o quinto filme que você fez com Martin Scorsese. Você tem sua colaboração nesses filmes?

Chegamos ao um ponto em que podemos improvisar mais do que nunca, porque a nossa compreensão do que estamos tentando alcançar é quase a mesma. Portanto, muito do filme dependia da criação de uma atmosfera selvagem e irresponsável, e como ator você precisa confiar completamente no diretor para ser capaz atingir o objetivo. Eu não escondemos nada nesse filme. Não tenho dublês para as cenas de orgia nuas.

O que levou Belfort a tal excesso na vida que acabaria por levar à sua queda?

Ele estava vivendo em uma época em que nada era suficiente, em que o oportunismo e ganância possuíam mais peso. Era como se o dinheiro que ele estava fazendo desse a ele esse sentimento de onipotência e as drogas que ele tomava apenas alimentassem essa sensibilidade. Era uma cultura do individualismo. Mas é claro que devemos perceber que, como seres humanos, devemos ser capazes de superar esse tipo de atitude egoísta e viver em harmonia uns com os outros, sem pisar nas outras pessoas.

Uma das cenas mais hilarias e surpreendentes do filme é quando seu personagem tem uma overdose de Quaaludes e está rastejando no chão.

Nós queríamos levar uma viagem alucinógena para o público, uma montanha-russa. Essa sequência foi feita com a ideia de ser um pequeno filme dentro do filme. Muito dessa cena foi feita a partir dos relatos de Jordan sobre o que eram Quaaludes. Eu imaginava ele rolando, o que foi muito útil para a cena Depois de muita pesquisa achei um vídeo no Youtube. Nele um homem está tentando pegar uma cerveja, mas fica rolando no chão por horas. Isso foi uma grande inspiração para mim.

Há várias cenas de nudez no filme. Você gostou de fazer parte delas?

(risos) Foi muito divertido. Mas pela parte da nudez em si, e sim porque eu estava tentando retratar com precisão como era a vida desse cara. Não havia dublês – era eu mesmo em todas essas cenas.

Você criou uma amizade com Belfort?

Não, mas mesmo que o que ele tenha feito seja deplorável, eu respeito qualquer um que é franco sobre seus erros. Ele não age da maneira que agia naquela época.

Você já se se sentiu nesse tipo de caminho que Belfort passou?

Eu me senti como uma estrela de rock enquanto eu estava fazendo este filme, especialmente quando estávamos filmando cenas na frente de todos e jogávamos champanhe para todos os lados. Eu ainda não posso acreditar que o cara sobreviveu depois de tudo o que ele fez. Seu deboche era inacreditável e eu olhei para o meu personagem como um imperador. Esse era o tipo de mentalidade que tínhamos quando nós adicionamos uma cena de orgia em um avião 747, que levou um dia inteiro de filmagens. Foi uma loucura.

Você acha que o filme, levando em consideração o tema, está próximo de Goodfellas ?

Eu não quero dizer que Marty faz ‘trilogias inconscientes”, mas Wolf é tematicamente o mesmo tipo de filme dos Os Bons Companheiros e Cassino. Quanto mais eu pesquisei sobre Wall Street, mais eu pensei: “Esses caras têm uma mentalidade do submundo“.

Houve algumas críticas do filme, acusando ele de glorificar o comportamento criminoso e depravado de Belfort e de seus colegas de trabalho.

Este é um filme que está se arriscando um pouco, o que é raro nos dias de hoje. Mas qualquer um que não pense que estamos falando deste mundo está perdendo o foco. Não estamos glorificando o comportamento dos personagens do mesmo jeito que Marty não estava glorificando o comportamento de gangsters em Os Bons Companheiros. Marty está tentando retratar as pessoas como elas são, sem tentar adoçar alguma coisa ou pedir desculpas por suas ações. Ele só mostra as coisas como elas são.

Você se preocupa de poder ter ido longe demais em retratar a natureza excessiva de Belfort e o pessoal de Wall Street?

Marty e eu gostamos de olhar para o outro e perguntar: “Será que estamos indo longe demais?” Mas raramente a resposta é sim. O personagem de Jordan cresceu em mim por um tempo. Eu estava pensando sobre essa história por seis anos, então eu sabia que algo estava para sair. Mas eu não sabia o que exatamente.

Você fez muitas loucuras na sua juventude?

Sim, sim. Depois de um tempo se torna chato se divertir dessa maneira e manter uma comitiva ao seu redor. Mas, então, já nos meus trinta anos eu vi que eu estava recebendo a chance de fazer filmes importantes. Aí sua atitude muda. Você precisa ser mais responsável em sua vida.

Você faz 40 anos em 2014. Isso te incomoda?

Isso não é problema para mim. Eu realmente não mudei de forma significativa como um indivíduo ou como ator desde que eu tinha 16 anos e minha carreira estava começando a decolar. Eu tive uma visão do que eu queria fazer com a minha vida e eu a mantive desde então.