Compras do mês
Crédito: Pixabay

Compras do mês x recorrentes: o que compensa mais em 2021?

Fazer grandes compras no supermercado uma vez por mês é um hábito bastante comum dos brasileiros. Porém, por conta dos últimos aumentos nos preços, será que esse é o melhor comportamento para economizar?

De acordo com dados do Dieese, os valores de alimentos do dia a dia não param de crescer. Em janeiro, o custo da cesta básica em Belo Horizonte foi de R$ 592,26, o que representou um aumento de 4,17% com relação ao mês anterior e de 29,78% nos últimos 12 meses. Diante disso, o consumidor tem pela frente um grande desafio que é conseguir comprar o mínimo e economizar.

Compras do mês surgiram em contexto semelhante

Na década de 1980, o Brasil sofreu uma hiperinflação que fazia com que os preços subissem de um dia para o outro. Naquela época, o terror dos consumidores eram as máquinas que etiquetavam os valores nos produtos, pois elas poderiam ser usadas durante o dia da compra. Ou seja, era como se hoje um cliente entrasse no supermercado e visse um produto por R$ 50, porém, na hora de colocá-lo no carrinho um funcionário já tivesse alterado o valor para R$ 60.

Por conta desse clima de incerteza, muitas famílias brasileiras começaram a só ir ao mercado uma vez por mês — ou o mínimo possível. Assim, elas evitavam ter que desembolsar mais dinheiro a cada nova visita ao comércio.

Atualmente, o hábito de fazer compras do mês é mais uma comodidade do que uma forma de economizar. Em vez de sair de casa diversas vezes, muitos brasileiros preferem fazer uma lista do que precisam e só ir abastecer a casa uma vez a cada três ou quatro semanas.

Compras do mês
Crédito: Pixabay

Economia pode ser feita com compras menores

Apesar de a inflação assustar, como em outros anos, ela não está descontrolada. Tanto que há momentos em que alguns produtos diminuem de preço, então, não há uma escalada de preços onde não se enxerga o topo.

Devido a isso, as compras mais frequentes que as mensais podem ser uma forma de economizar. Nessas idas ao supermercado, os consumidores podem aproveitar promoções especiais. Porém, isso só é válido se a pessoa for racional e econômica. Caso contrário, ela poderá gastar mais do que deve, por se deixar levar pelas emoções.

Vale notar ainda, que nos dias de hoje, não é mais necessário sair de casa para saber se o mercado tem ofertas interessantes. Há plataformas online como o Portafolhetos, em que é possível ver os preços do supermercado Dia com ofertas exclusivas e que você ainda pode utilizar os cupons disponíveis no App. Há ainda muitas ofertas interessantes no Portafolhetos de outras redes de supermercados, como Carrefour, Extra, Atacadão, Makro, etc.

Além disso, para economizar, o consumidor pode adotar as seguintes ações:

  • Trocar marcas mais famosas por novas ou que sejam do próprio mercado. Os produtos Qualitá, por exemplo, é do Grupo Pão de Açúcar.
  • Comprar mais legumes, frutas e verduras da estação. Além de serem mais econômicos por terem maior oferta, eles costumam ser mais saudáveis, pois são feitos com menos agrotóxicos.
  • Comparar produtos maiores. Levar uma embalagem de 2L de R$8 e não uma de 1L R$5,50 é mais vantajoso, então, é interessante fazer a comparação;
  • Preferir os limpadores concentrados. Amaciantes e outros produtos de limpeza costumam compensar mais na versão concentrada. Outro detalhe importante é prestar atenção para não gastar mais do que é necessário.

Apesar de fazer uma grande compra por mês ser um hábito dos brasileiros, herdado da década de 1980, ir mais vezes ao mercado pode compensar para economizar. Porém, é necessário que nesse momento o consumidor tome alguns cuidados, incluindo pesquisar antes o preço dos produtos e escolher marcas menos populares.